sábado, 1 de agosto de 2020

Propor-se ao mistério


Reflexões do Livro: Filoteia 
"Quando rezamos falamos com Deus, quando lemos é Deus que nos fala.” - S. Jerônimo  
"São Francisco de Sales tinha um dom sublime de encaminhar as almas à perfeição, era este, sobretudo seu dote particular. Neste livro precioso encontra-se a consolação que alivia tantos corações dilacerados e o conselho que encaminha tantas consciências".
Meditar a Palavra - ou a vida e acontecimentos de Jesus
 Uma meditação, uma oração mental, também é representação que consiste com pensamentos da fé e um olhar de espírito. Por exemplo: meditar sobre a crucificação de Jesus, ver as circunstâncias que o evangelista descreve; lugar, ações, palavras, pessoas, objetos, a grandeza de Deus, a excelência das virtudes.
 “Sejam praticantes da palavra e não apenas ouvintes, enganando-se a si mesmos. Aquele que ouve a palavra, mas não a põe em prática, é semelhante a um homem que olha a sua face num espelho e, depois de olhar para si mesmo, sai e logo esquece a sua aparência. Mas o homem que observa atentamente a lei perfeita que traz a liberdade, e persevera na prática dessa lei, não esquecendo o que ouviu, mas praticando-o, será feliz naquilo que fizer.” (São Tiago 1:22-25)
“Há muitas definições da oração. A mais frequente é a chamada colóquio, conversação, entretenimento com Deus.  Ao conversarmos com alguém, não somente falamos, mas também escutamos. A oração por conseguinte é também uma escuta. Ela consiste em pôr-se à escuta da voz interior da graça”. (São João Paulo II)
“... A meditação é capaz de levar a nossa vontade a Deus e de afeiçoá-la a coisas divinas. Esta é a diferença entre a meditação e o estudo; porque o fim do estudo é a ciência, e a meditação é o Amor de Deus e a pratica das virtudes.” (Filoteia - Parte II, cap V) Uma viva meditação suscita na vontade inúmeras moções boas e santas; de amar a Deus e ao próximo, o zelo pela salvação das almas, o ardor de imitar Jesus Cristo.  E mais, SFS diz: “Entretanto, Filoteia, não te deves restringir só a afetos, sem que faças resoluções para aperfeiçoamento de tuas ações... e aí tens um verdadeiro meio para corrigir as  faltas e pecados”.
Terminar a meditação com profunda humildade e confiança.  Um agradecimento a Deus por ser misericordioso e a experiência do seu amor. E a inspiração dos bons propósitos. E assim, pedir a graça de cumpri-los com zelo. Oferecer orações pelos irmãos, por intercessão de Nossa Senhora, mãe de Deus e da santa igreja.
 É bom levar em conta as distrações, combatê-las na oração. Santo Agostinho se refere a três desatenções: a Palavra, o sentido, a presença. Às vezes nem prestamos atenção nas palavras; se nem nas palavras prestamos atenção (que é o primeiro nível), então estamos numa distração total.  Se conseguimos pensar no que se fala ou medita, é bom; mas aí tem o segundo nível: o de não dar o verdadeiro sentido às palavras (valor que significa...). Existe ainda o terceiro nível, o da presença - a presença de Deus, com a qual estamos dialogando ou meditando, é a pessoa de Jesus Cristo, ter consciência disso.
Bom preparo para oração que vais meditar! E, seguimos em frente, sempre em busca do crescimento e amadurecimento espiritual, nunca regredir na fé.
 Na próxima tem o 6º passo e o ramalhete espiritual.
Iria


domingo, 26 de julho de 2020

A oração mental


Reflexões do Livro: Filoteia

Pôr- se na presença de Deus  - a oração mental

“Onde quer que estejamos, podemos e devemos aspirar à vida perfeita no amor de Deus.” SFS

Essa preparação consiste em três pontos: Pôr-se na presença de Deus, pedir as luzes e inspirações, fazer a reta intenção, propor-se o mistério que se quer meditar.

Primeiros Passos da Meditação:

- Refletir profundamente e firmemente - “Presença de Deus”
A meditação é uma atividade da mente, uma oração do impulso fervoroso do coração para Deus.  Compenetrado nesta verdade, conforme o Salmo: “... Para onde poderia eu escapar da tua presença? Se eu escalar o céu, aí estás; se me lançar no mais profundo do mar, igualmente aí estás. (Sl 139,7-8).
E segundo meio é: Deus está em ti mesmo, no fundo da tua alma que te anima e sustenta, vivifica a divina presença em ti. A Palavra de Deus diz que “em Deus vivemos, e nos movemos e existimos.” (Atos 17, 28). Com esse profundo respeito inicia uma confiança de diálogo, de amizade.
O terceiro meio que nos ajuda é o Filho de Deus, lembrar sempre que Jesus passou a vida fazendo o bem e morreu por nos amar. O quarto meio é ter a confiança que Jesus está sempre conosco na vida e na história, como  quis ficar no Santíssimo Sacramento - o Pão consagrado. 
                
 E com fé iniciamos o dia com Deus, invocando a Santíssima Trindade no Sinal da Cruz: Pedir a graça de passar o dia na presença de Deus. “Quero caminhar com Ele e ser sinal do seu amor”. O Espírito Santo, que habita em nós desde que fomos batizados, gera em nosso interior a presença de Deus Pai e de Deus Filho; assim alcançamos a graça.

- Fazer a “Reta Intenção”: “Meu Deus, dá-me tua graça. Tudo o que faço e sofro te ofereço.”  Oferecer o Dia com reta intenção: tudo que vou viver, todas as ocasiões, orações, alegrias, dores, compromissos, desafios, projetos, pessoas que encontrar ou conviver, sonhos, conquistas. Cada novo dia é como presente dado por Deus, para recomeçar e progredir na vida  espiritual.

       - Então, abrir-se à unção do Espírito Santo para que possa compreender a importância da oração e o sentido que ela pode trazer para a tua vida.   Somos fracos, por nós mesmos não podemos nada, assim peça ao Espírito Santo força e coragem para ser testemunho da verdade e para perseverar na oração, que “ninguém pode dizer Jesus é o Senhor, a não ser pela ação do Espírito Santo” (1Cor 12,3). Esse é o momento do exercício, do preparo de rezar bem,  e  colocar-se  no coração de Deus.
 Comecemos por cultivar essa amizade com Deus, seguir em frente. Mais outros passos na próxima reflexão.
Iria

domingo, 19 de julho de 2020

Necessidade da Oração (Livro da Filoteia)

“A oração é o alimento da alma, uma amizade com Deus.”
(S. Terezinha)
Rezar ou ter uma vida de oração, pode não ter o mesmo significado. Fazer orações diárias, vocais ou devoções a santos, no entanto, não tem uma vida de oração. Vida de oração é mais profunda é impregnada no ser.  No Evangelho Jesus pergunta ao Jovem: “Amas-me de todo coração, toda tua alma, com todas as forças, e com todo entendimento?” (Lc,10,27). Por isso, é indispensável o cultivo da oração no cotidiano.
São Francisco de Sales, foi feliz quando escreveu que: “a oração é a água da graça”. No Evangelho Jesus oferece à Samaritana “água viva” (Jo 4,10). Jesus nos convida, vinde a mim, todos vos que estais cansado...” (Mt11,28) e, “Se alguém tem sede, venha a mim, e beba quem crê em mim” — “Do seu interior correrão rios de água viva”.  (João 7.37-39)  É um convite: “Venha à mim” - nós que devemos ir até a fonte da graça.  
São Francisco de Sales, sugere um caminho, uma disciplina na oração pessoal.  E indica seis passos. ( Filoteia Parte II; Cap. I)
1) Colocar-se na presença de Deus: um breve silêncio, um refrão de canto, se desconectar de tudo e do barulho interior.
2)      Invocar o Espirito Santo: canto ou oração de invocação. “O Espirito vem em socorro de nossa fraqueza” (Rom 8,26)
3)    O louvor afestiva apresentar-se diante de Deus: louve a Deus em cada momento do dia. Pedidos e súplicas, de perdão e das dificuldades, coloque o dia nas mãos de Deus.
4)   Meditação do mistério, da Palavra vida de Jesus: Leia evangelho do dia, ou liturgia das horas ou um Salmo.
5)    Suplica de intercessão: Oração oral, de oferecer, agradecer, louvar...
6)   Conclusão, intercessão: aos santos, ao anjo da guarda e a Maria Santíssima, por si pelo outros.

 Para viver a Oração - São Francisco Sales sugere um caderninho, para anotações de bons propósitos, da oração; o que Deus quer... o que Deus me falou.  E mais, anotar uma palavra ou frase para viver; ter presente e recorrer a ela várias vezes durante o dia.

 Que a vida de oração não perca a graça por não ter raízes. Esse caminho pode ajudar a rezar melhor; fortalecer-se a viver a luta dos desafios no diário.
Faça uma experiência.
Até a próxima.
Iria


domingo, 12 de julho de 2020

A oração no Livro Filoteia


Há vários métodos de rezar: há quem reze o terço, participe da Missa, leia a Bíblia. Ou formas de rezar: oração vocal ou leitura da Palavra, meditação, contemplação. “Grande arte é saber conversar com Jesus, e grande prudência conservá-lo consigo...” (Imitação de Cristo, 3, pag. 108)

Mas, o que é a oração?

São Francisco de Sales, na Filoteia nos orienta a uma vida de oração:
“A oração, fazendo o nosso espírito penetrar na plena luz da divindade, expondo a nossa vontade abertamente aos ardores do amor divino, é o meio mais eficaz de dissipar as trevas de erro e ignorância que obscurecem a nossa mente e de purificar o nosso coração de todos os seus afetos desordenados. É ela a água da graça, que lava a nossa alma de suas iniquidades, alivia os nossos corações opressos pela sede das paixões e nutre as primeiras raízes que a virtude vai lançando, que são os bons desejos.”  (Parte II; Cap. I)

Apreciamos Deus, através da oração que é a fonte da Graça; de onde emana ou procede todo bem. Ela nos conduz no caminho reto. Assim, SFS diz três verbos (coisas) que a oração faz em nós: lava, alivia, nutre.
a) A oração lava nossa alma e purifica das más inclinações e pecados.
b) Alivia nossa consciência das paixões desordenadas. Ela é a raiz da graça, das virtudes, da vontade de fazer o bem e viver a caridade de Cristo.
c) A oração dia a dia na nossa vida nutre as raízes das virtudes, os desejos de vencer os desafios e obstáculos e ser perseverante nos bons propósitos.

"Não sabemos o que havemos de pedir para rezarmos como deve ser.” (Rm 8, 26)
“A humildade é a disposição necessária para receber gratuitamente o dom da oração: o homem é um mendigo de Deus.” (Catecismo da Igreja Católica,2559)

 Percebe a riqueza da oração!
Semana que vem abordaremos o “Como rezar”.
Saudações Iria

sexta-feira, 3 de julho de 2020

Filoteia - livro de SFS


Livro: Filoteia - Introdução à vida Devota
 Autor: São Francisco de Sales

Vida devota; pessoa que ama a Deus. FILO: alma enamorada de Deus.
A Filoteia é um verdadeiro manual para o fiel que aspira à Santidade. Esse Livro é fruto de uma caminhada de orientação espiritual vivida por SFS e, primeiramente dirigido à pessoa que busca viver profundamente seu Batismo.
Vamos conhecê-lo:  SFS era um Bispo de Genebra e Orientador
Espiritual, escrevia dezenas e dezenas de cartas espirituais para pessoas comuns, cidadãos do mundo, mas que buscavam viver a vida cristã; não eram monjas, nem sacerdotes. Ele escreveu para pessoas que vivem na realidade do mundo, mas que amam a Deus e querem crescer no caminho de Deus, pessoas resolutas, determinadas. Este livro traz estas orientações que São Francisco escreveu e servem a todas as pessoas em qualquer tempo.
Para pessoas iniciantes esse colóquio com Deus é diferente das que já estão na terceira ou sétima morada no caminho de Santidade conforme Santa Tereza D`Ávila, são níveis de união espiritual.
Pois bem. São Francisco de Sales dividiu esse livro em 5 partes, um verdadeiro manual para edificar-se na Santidade. Além de melhor compreender, é aprender conselhos práticos, uma série de reflexões com temas do cotidiano, como: Orações, meditações, confissão, comunhão com Deus. Assim, SFS propôs para quem inicia um caminho de Santidade, pôr as coisas em ordem.
O Livro tem uma finalidade bem precisa, uma transformação e, para haver progresso deve-se começar pelo interior da pessoa.
Pense um pouco nestes temas; na semana que vem tem mais...
Coord. Iria




sexta-feira, 12 de junho de 2020

SFS e S.Margarida Alacoque - e o Sagrado Coração de Jesus


A Santa do Coração de Jesus


No dia 13 de maio de 1920, Santa Margarida Maria Alacoque,  Irmã de Visitação, foi declarada Santa. Ou seja, neste ano completou 100 anos de canonização. A congregação das Irmãs da  Visitação, foi fundada  em 1610, por São Francisco de Sales e Joana Francisca de Chantal.
Santa Margarida Maria Alacoque, em 1673 teve uma visão, na qual Cristo a encarregou de se dedicar à veneração de seu divino coração. Em outras visões, ela recebeu também a tarefa de se dedicar a introduzir a Sexta-Feira do Coração de Jesus e a Festa do Coração de Jesus, para que assim se fortalecesse a veneração ao Coração de Jesus. 
A adoração ao Coração de Jesus aconteceu pela primeira vez na comunidade religiosa, construiu-se uma capela própria para a veneração.
 As revelações de Jesus a Margarida Maria chamavam atenção para o “interior” de Jesus. A imagem do Coração deixava transparecer a chaga, cercado por uma coroa de espinhos. O Coração é uma alegoria da intimidade, do centro da pessoa, da sede do amor. Estava em jogo o essencial, o fundamental, manifestando assim o segredo da pessoa, a fonte escondida de suas atitudes e gestos.
Para o Padre Libânio, “tudo o que vem do coração já é revelação”. A devoção, a partir das revelações de Jesus a Santa Margarida Maria, foi assumindo características de cunho popular. Jesus crucificado será sempre Jesus com o coração transpassado. Por isso que, ao mencionar os transpassados de hoje, o texto fará referência aos “povos crucificados”. Hoje em nosso mundo milhões de pessoas estão “crucificadas”, “transpassadas” pela fome e que sobrevivem nas mais diversas formas de desumanidade.  A compaixão de Jesus não permaneceu somente no nível do afeto, desceu à prática, tornou-se carne na história, vestiu-se de acontecimentos.
Dois Jesuítas começaram a divulgar a veneração do Coração de Jesus além do convento das irmãs de Visitação. A veneração do Coração de Jesus faz parte da Igreja Católica até hoje, nas formas mais programadas temos a grande Festa do Santíssimo Coração de Jesus, a Festa de Corpus Christi e  a adoração a cada primeira sexta-feira e as 12 promessas do coração de Jesus.


São Francisco de Sales: o Santo do Coração

Para Francisco de Sales, existe uma ligação estreita entre Deus e o ser humano. Em tal ligação, Deus é o fundamento e a fonte original do amor, e o ser humano, desejado por amor, é capacitado para o amor e é digno do amor. Nisso se baseia toda a sua teologia e a sua pastoral. Ele realça: “Todo o ensino da Igreja é o amor”.  Uma vida baseada na fé deve, para Francisco de Sales, ser nutrida da fonte original do amor. O amor, o amor do coração, deve ser atuante na vida espiritual e deve marcá-la.  Em seu conhecido livro “Filoteia”, ele descreve essa atitude de uma maneira que distingue a verdadeira devoção das várias atitudes.
A piedade deve estar em harmonia com a vida no mundo. Sim, deve ser vivida aberta e alegremente para o mundo, no meio do mundo, porque uma vida de fé combina com cada estado de vida e com cada profissão. Otimismo e alegria são frutos de um amor que vem do coração, como atitudes básicas da vida cristã.
“Me parece bem, se deve começar no ser humano interior... porque o coração é a fonte de nossas ações, estas vão ser assim, como está feito o nosso coração. Em uma palavra: quem ganhou o coração, possui a pessoa toda.” (Filoteia, III, 23). O interior do ser humano é o essencial, o coração.
A meditação retirada dos escritos do  Pe. Herbert Winklehner OSF

sexta-feira, 1 de maio de 2020

Maria, que mudou minha vida


"A oração é um dos meios mais poderosos para 
adquirir e conservar a graça Divina.” sfs
V+J

Maria Santíssima, agradecida pelo olhar de Deus, cultivava a atitude interior, superando na fé os medos e as inquietações. Ela abraça com coragem a vocação, ela fez da sua vida um cântico eterno de louvor ao Senhor:  Magnificat.
Maria, a Eleita para ser a mãe de Deus na terra. Que se passa na alma de Maria? Maria é feliz, não uma simples alegria, Maria se alegra em ter um Deus tão próximo. A alegria de Maria é também nossa alegria, Deus está a nosso favor. O apóstolo São Paulo diz: “Tudo concorre para o bem dos que amam a Deus”.
Ao rezar a Ladainha de Nossa Senhora, encontramos as graças  e a riquezas de Maria: “Auxilio dos Cristãos, Saúde dos enfermos, Consoladora dos aflitos... Ó Maria, Vós sempre resplandeceis sobre o nosso caminho como um sinal de esperança e de salvação, pois permanecestes junto da cruz, associada ao sofrimento de Jesus, mantendo firme a vossa fé.” Nós temos grande necessidade da proteção e do auxílio de Maria em todos os perigos e tribulações nesta vida e de ouvir os ensinamentos de seu filho Jesus.  
Nestes momentos difíceis de quarentena, mas não impossíveis de serem bem aproveitados para nosso crescimento espiritual, veja dois exemplos de São Francisco de Sales, nosso Patrono.
São Francisco de Sales diz que devemos aproveitar cada ocasião, também as crises.
O jovem Francisco de Sales passou por uma crise existencial muito dura, a ponto de afetar sua saúde e de o enfraquecer fisicamente. A teoria da predestinação dos calvinistas levou-o a entrar no mais profundo de si mesmo, rezava à Maria, escutava e lutava. No final, essa profunda crise teve um saldo positivo na sua vida espiritual: abriu o seu espírito para uma nova compreensão do amor de Deus que quer a salvação de todos. Em outras palavras, o fruto foi a raiz do otimismo salesiano e Francisco saiu da crise ainda mais fortalecido e apaixonado por Deus (A. RAVIER, p. 27). Dentro do otimismo salesiano cada situação de nossa vida (ainda que difícil e incompreensível à mente humana) tem um motivo, uma razão de ser.
SFS não se deixar paralisar pelo medo
A vida é uma luta, não com os outros, mas conosco mesmos... Francisco de Sales é exemplo de quem enfrenta as situações, conversa com quem se deve conversar. Ele não se deixou paralisar pelo medo quando:
a) Enfrentou a adversidade do próprio pai no momento de decidir sua vocação.
b) Foi enviado à região do Chablais - “A região do Chablais tinha cerca de vinte e cinco mil habitantes dos quais, aproximadamente, uma centena permanecia no catolicismo. A pedido do Duque, por volta de 1590, Dom Granier recolocou cinquenta párocos na região que vivia uma situação religiosa totalmente deteriorada depois da chegada do Calvinismo. Em pouco tempo, todos esses padres foram, mais uma vez, expulsos” (A educação do coração como elemento chave do itinerário rumo à vida devota. Depois disso, o jovem padre Francisco de Sales voluntariamente ofereceu-se a ir à região perigosa e conflitiva do Chablais... e, em 4 anos a converteu.
c) Visitava os líderes calvinistas e conversava com eles aberta e publicamente para esclarecer questões de fé e doutrina. Será que por vezes não acontece que, apesar de receber inspirações de Deus, o medo nos paralisa de colocar em prática o que Deus nos pede?
Portanto, na dinâmica da vida espiritual salesiana, a escuta da vontade de Deus, do discernimento e da decisão, segue-se o espírito de determinação  para colocar em prática a ação desejada por Deus. No Livro da Filotéia, SFS ensina que a meditação tem sentido se nos conduz à prática das resoluções.
Esses são os dois momentos fortes em que Francisco confiou-se à Maria e à graça de Deus, cumprindo sua vontade. Por isso, não deixemos a Oração. Rezar individualmente, rezar em família, rezar com a comunidade.
Neste mês dedicado à Maria, rezemos:
À vossa proteção, recorremos, Santa Mãe de Deus; não desprezeis as nossas súplicas na hora da prova, mas livrai-nos de todos os perigos, ó Virgem gloriosa e bendita!